terça-feira, 25 de outubro de 2016

Visite 7 parques que recuperaram áreas degradadas de São Paulo

Parque da Juventude ocupa a área do antigo Carandiru
O site Áreas Verdes das Cidades visitou sete parques de São Paulo que foram instalados em áreas degradadas e que trouxeram opções de lazer, contato com a natureza e atividades físicas para população e por consequência valorizaram o espaço público e o direito ao uso da cidade de forma mais democrática.
Locais ocupados pelo Carandiru e Febem, o primeiro na zona norte e o segundo na zona leste, lixões na zona oeste e áreas de proteção ambiental que estavam devastadas foram transformados em parques. Atualmente cresce o número de áreas verdes de proteção da flora, principalmente em áreas de manancial da cidade.

Confira os mais bem-sucedidos projetos da cidade de São Paulo:

Zona Norte
Santana
Parque da Juventude

Zona oeste
Alto de Pinheiros
Parque Villa-Lobos

Jardim Previdência
Parque Previdência

Pinheiros
Praça Victor Civita

Vila Albano
Parque Raposo Tavares

Zona leste
Belém
Parque Belém

Itaim Paulista
Parque Chácara das Flores

Parque Raposo Tavares é o primeiro parque da América do Sul a ser construído sobre um aterro sanitário

Zona norte
Santana
O parque da Juventude era a antiga Penitenciária do Carandiru, que foi demolida; sua área deu lugar a um belo parque com diversas quadras, pistas de skate, biblioteca, entre outras atrações. 

Zona oeste
Alto de Pinheiros
Antigo depósito de lixo da Ceagesp, de material dragado do Rio Pinheiros e de entulho da construção civil, hoje o parque tem uma estrutura de lazer e cultural que vale a pena ser conferida.

Jardim Previdência 
O local era um reservatório de água que abastecia o bairro Jardim Previdência, até o ano de 1968, quando este passou a receber água encanada de outra estação. O local ficou abandonado até que a antiga casa de bombas e a estação de tratamento de água foram adaptadas, e nesta estrutura funcionam o Museu do Meio Ambiente e escritórios da prefeitura; o antigo reservatório é ocupado pelo Grupo Escoteiro Raposo Tavares.

Pinheiros
Na área funcionou, por 40 anos, o Incinerador de lixo de Pinheiros, também conhecido como Sumidouro. Foi necessário fazer um grande processo de descontaminação do local desde seu fechamento em 2002, quando a prática de queima de lixo sem os devidos filtros e outros equipamentos para reduzir o impacto ambiental foi considerada ilegal.

Vila Albano 
É considerado o primeiro parque da América do Sul a ser construído sobre um aterro sanitário, demandando, por isso, um planejamento e técnicas especiais de implantação.
o "lixão de Raposo Tavares", como era conhecido, foi tema de um documentário do cineasta João Batista de Andrade, intitulado "Restos". O documentário registrava a miséria da população cuja sobrevivência dependia da coleta dos resíduos depositados no local, bem como repressão policial a que estava sujeita.
O projeto teve impacto significativo para a qualidade de vida da população do entorno, majoritariamente composta por famílias de baixo poder aquisitivo, residindo em uma área caracterizada pela presença de diversas favelas, ao diminuir sensivelmente, ou mesmo extinguir, problemas como a proliferação de doenças, o mau cheiro e a poluição visual,

Zona leste
Belém
O parque ocupa a área que por 103 anos foi da Febem, sendo totalmente reformada, transformando-se num bom espaço de lazer e cultura.
Em um prédio onde na década de 1930 era o "reformatório das meninas", está instalada agora a Fábrica de Cultura Parque Belém. O edifício está estruturado em vários espaços, para receber atividades culturais, tais como dança, teatro, música, circo e xadrez.
Itaim Paulista
O parque foi criado para preservar a mata nativa que se encontrava em estado de regeneração e em sua área há também lagos e nascentes. 
A área sofreu degradação pois desde o início do século passado o trabalho das olarias da região multiplicou-se acompanhando o desenvolvimento da cidade, que consumia cada vez mais materiais de construção, como pedregulhos e areia, extraídos do rio Tietê.


Fotos Áreas Verdes das Cidades

Por Letícia J. Guedes - Redação Áreas Verdes das Cidades

4 comentários:

  1. Guedes, uma forma de se estar presente é fazer coisa que ninguém faz. É promover uma coletânea de ideias para um dia, certamente alguém poder aproveita-las. Como diz o Pensamento: " Sejamos como SOL que nunca busca recompensa, simplesmente BRILHA"

    PARABÉNS.

    ResponderExcluir
  2. Que comentario bonito do ABEL !
    Belo trabalho que você faz. Parabens ate para seus admiradores.

    ResponderExcluir
  3. Gratificado pelo exemplo de parques com qualidade de vida.

    ResponderExcluir

Seus comentários são muito importantes para o aprimoramento do site