quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Aproveite o passeio ao Parque Jardim da Luz para conhecer a história de São Paulo

Parque Jardim da Luz é o mais antigo de São Paulo e em seu entorno há várias atrações que sintetizam o início da história da cidade e principalmente sua transformação em metrópole - a Estação da Luz, a Pinacoteca do Estado, o Museu da Resistência (Estação Pinacoteca) e o Museu de Arte Sacra. Confira no mapa abaixo Ao final da matéria) a localização dos passeios.

O parque foi criado em 1798 e aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico - tornou-se a primeira área de lazer dos paulistanos.

Sua arquitetura é belíssima, com lagos, chafarizes e exposição permanente de esculturas de Victor Brecheret, Leon Ferrari, Amílcar de Castro, José Resende, Marcelo Nietsche e muitos outros. Além de ser um oásis de área verde bem no coração de São Paulo, ele tem surpresas como um aquário subterrâneo, uma gruta com cascata, um mirante e um ponto de bonde. O aquário está abaixo da estátua de "Diana", próxima ao Lago da Cruz de Malta, com 13 espécies de peixes nativos dos Rios Tietê e Paraíba do Sul.

O parque também tem um "sítio arqueológico" (próximo à entrada do parque pela Praça da Luz) encontrado em escavações feitas no local. Foram descobertas fundações de uma torre de 20 metros de altura denominada "Observatório Meteorológico" (1875). Seu topo era o ponto mais alto da cidade e utilizado pela população como mirante na época. Foi demolido em 1901, depois que foi pronta a torre da Estação da Luz.

Durante o dia, e principalmente aos fins de semana, a área é fortemente policiada no entorno das atrações que apontamos no site, portanto mesmo em uma região com fama de perigosa você pode caminhar com tranquilidade.


Parque da Luz - Praça da Luz, s/n°, Bom Retiro, Região Central
Confira mais informações na resenha feita pelo site Áreas Verdes das Cidades sobre o Parque Jardim da Luz clicando aqui.



Estação da Luz
Também na Praça da Luz está a Estação da Luz (1867), cujo prédio preserva a reforma de 1901 feita pelo britânico Charles Henry Driver, o primeiro a projetar uma cobertura envidraçada para uma estação ferroviária.

A estrutura metálica da estação e os equipamentos para a iluminação da estação foram importados da Grã-Bretanha. Foi construída paralela à linha com os serviços dispostos lateralmente às plataformas. O tijolo aparente e as estruturas metálicas da gare são os elementos construtivos predominantes.


O Museu da Língua Portuguesa está localizado no prédio, mas está fechado para reformas após um incêndio em 2015.


Pinacoteca do Estado
Ao lado do parque está a Pinacoteca do Estado
, que desde 1905, tem em seu acervo obras de produção brasileira do século XIX até a contemporaneidade.

Instalada no antigo edifício do Liceu de Artes e Ofícios, projetado no final do século XIX pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, foi reformada em 1990.

Atualmente, a exposição ‘Coleções em diálogo: Museu Paulista e Pinacoteca de São Paulo’ retoma o início da Pinacoteca, que recebeu 20 obras do Museu Paulista, conhecido também como Museu do Ipiranga, localizado no Parque da Independência (também já visitado pelo site Áreas Verdes das Cidades - veja aqui), que está fechado para reforma.

São cerca de 50 obras, entre pinturas, desenhos, fotografias e objetos, assinadas por artistas como Antônio Parreiras, Benedito Calixto, Adrien van Emelen, Oscar Pereira da Silva, João Baptista da Costa, Antônio Ferrigno, Henrique Bernardelli.

A mostra permanece em cartaz até 30 de janeiro de 2017. Aos sábados a entrada é gratuita. Ingressos a R$6 (inteira) e R$ 3 (meia). Crianças com menos de 10 e adultos com mais de 60 anos não pagam.

Endereço: Praça da Luz, n° 2
Telefone: 11 3324-1000
Aberto de quarta a segunda das 10h às 17h30, com permanência até as 18h. Fechado às terças. Entrada gratuita aos sábados.
Confira aqui o site da Pinacoteca do Estado


Estação Pinacoteca e Museu da Resistência
Caminhando pelo Largo General Osório (logo atrás do Parque da Luz) encontra-se a Estação Pinacoteca - com entrada gratuita.

Em seu prédio ficam os antigos armazéns e escritórios da Estrada de Ferro Sorocabana que a partir 1940 foi utilizado pelo Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops/SP), um dos piores centros de repressão do governo, principalmente durante a ditadura militar. Por isso, após a reforma foi instalado o Memorial da Resistência de São Paulo, no andar térreo da Estação Pinacoteca.

Nos outros andares, há exposições temporárias como ‘Situações: a instalação no acervo da Pinacoteca de São Paulo’ com trabalhos contemporâneos de artistas como Guto Lacaz, Jac Leirner, Cildo Meireles, Carla Zaccagnini e Mariana Manhães.

A Estação Pinacoteca também tem a Biblioteca Walter Wey (acervo de artes visuais, com destaque para arte brasileira), a coleção Nemirovsky, um dos mais importantes acervos de arte moderna do país, e o Gabinete de Gravura Guita e José Mindlin.

Endereço: Largo General Osório, 66
Telefone: 11 3335-4990 
Aberto de quarta a segunda (fechado às terças), das 10h às 17h30. Entrada gratuita.
Confira aqui o site do Memorial da Resistência de São Paulo


Museu de Arte Sacra
O museu está bem próximo ao parque, do outro lado da Avenida Tiradentes, e vale um passeio pelas peças de arte tipicamente brasileiras.

O museu abrigou o Mosteiro de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. A parte mais antiga do complexo foi construída por volta de 1820 sob orientação de Frei Antônio de Santana Galvão, tornado o primeiro santo brasileiro em 2007, para abrigar as irmãs concepcionistas, c
uja ordem permanece no local ainda hoje. 

O acervo do museu começou por Dom Duarte Leopoldo e Silva, primeiro arcebispo de São Paulo, que a partir de 1907 começou a recolher imagens sacras de igrejas e pequenas capelas de fazendas que foram demolidas após a proclamação da República. Na década de 1970, foi possível ampliar significativamente esse acervo.

Vale a pena visitar o acervo permanente de presépios do museu

Endereço Avenida Tiradentes, 676
Telefone: 11 3326-3336
Aberto de terça a domingo, das 9h às 17h . Fechado às segundas. 
Entrada gratuita aos sábados: gratuito
Demais dias: R$ 6,00 (estudantes pagam meia). Isentos: idosos acima de 60 anos; crianças até 7 anos; professores da rede pública (com identificação) e até 4 acompanhantes.

Veja mais informações na resenha feita pelo site Áreas Verdes das Cidades sobre o Parque Jardim da Luz clicando aqui.

Por Letícia J. Guedes - Redação Áreas Verdes das Cidades

1 comentários:

  1. Bom Histórico. Continuo achando que você devia ser convidado pelo novo prefeito para valorizar nossos Parques, Jardins, e quem sabe mais alguma coisa, Continue na luta. Você tem garra.

    ResponderExcluir

Seus comentários são muito importantes para o aprimoramento do site