sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros em Alto Paraíso de Goiás (GO)

Visitamos o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros durante dois dias no meio de semana. O parque tem por volta de 650 Km² de área no total e fica localizado no distrito de São Jorge, município de Alto Paraíso de Goiás no nordeste goiano, junto a quatro cidades: Cavalcante, Teresina de Goiás, Colinas do Sul e São João D'Aliança. Dista a 260 km de Brasília-DF e a 420 km de Goiânia-GO. Sua população fixa é de cerca de 7.000 habitantes e possui uma área de 2.594 km². No Município encontra-se o ponto mais alto do Planalto Central, que é Pouso Alto com 1.676 metros de altura.
Horário de funcionamento:
Entrada das 8 às 12h e saída até 18h de terça a domingo. Em janeiro e julho fica aberto toda a semana
Recursos:
          Trilha    Programação cultural
Telefone:
(62) 3455-1114/1116 e 9299-8536
Localização:
Rodovia GO 239, Km 36, Distrito de São Jorge, Alto Paraíso de Goiás, Goiás
Ver no mapa

Como chegar
A entrada do parque está localizada no distrito de São Jorge, a 36 km do município de Alto Paraíso de Goiás.
De Brasília-DF, são cerca 260 km até a entrada do Parque. O acesso é feito pela BR-020, em direção à Formosa-GO. No trevo, pegar a BR-010, sentido Alto Paraíso. Após cruzar a divisa do Distrito Federal com Goiás, a BR-010 passa a se chamar GO-118. Chegando a Alto Paraíso, vire no trevo à esquerda em direção a São Jorge e siga pela GO-239 por mais 22 km de rodovia asfaltada e 14 km em estrada de terra.
O caminho de São Jorge até a portaria do Parque tem menos de 1 km de extensão, sendo possível ir caminhando, de bicicleta ou de carro. Conforme orientação da direção do parque, nos períodos com maior fluxo de visitantes (meses de férias escolares e feriados prolongados), o estacionamento fica lotado e a estrada de acesso ao Parque pode se tornar muito difícil. Há a recomendação de deixar seu carro em São Jorge.

Atrações
A maior atração do parque é caminhar por suas trilhas (4) de dificuldades consideradas de média a difícil (apenas uma delas é fácil), observando a beleza rústica do local, sua flora, constituída basicamente pelo bioma cerrado, e a fauna locais. Há belas cachoeiras e rios onde há possibilidade de nadar. Entre as atrações mais específicas destacam-se os "Saltos do Rio Preto", "Corredeiras", "Cachoeiras das Cariocas" e o "Cânion II".
Quando estivemos no parque, percorremos em dois dias distintos as trilhas dos "Cânions e a dos "Saltos" com 12 e 11 Km, respectivamente, usufruindo de belas paisagens e banhando-nos em locais apropriados.

Precauções
O visitante deve tomar cuidado com uma série de quesitos que enumeramos no item "A direção do parque recomenda", v. abaixo) para evitar problemas. 
É sugestivo a contratação de condutores de visitantes e/ou de operadoras de ecoturismo que prestam serviços de apoio para percorrer o parque (veja lista que consta no site oficial do parque).
Segundo a direção do local, visando enriquecer a experiência da visitação e manejar os impactos sobre o ecossistema do local, a visitação é limitada por trilha. Consulte os telefone da administração mostrados no box acima.
Recomendamos, particularmente, levar alimentos, bebidas e uma capa de chuva em mochilas. O tempo "vira" facilmente na Chapada e na volta de uma das trilhas que fizemos, repentinamente, começou a chover forte e ensopou-nos, pois não há abrigo nem embaixo de árvores, pois a vegetação do cerrado, via de regra, é rasteira ou baixa. 

Flora
"Fisionomias" diversas do cerrado, segunda maior formação vegetacional brasi­leira, menor apenas que a Floresta Amazônica.
É possível conhecer o cerrado em sua essência, caracterizado por uma cobertura arbórea entre 10% e 60%, com árvo­res lenhosas com altura variando entre 3 e 5 metros; matas de galeria, com árvores altas que acompanham os corpos d'água; áreas de veredas, com palmeiras como o buriti, cercadas pelo cam­po úmido; áreas de formações campestres do cerrado e cerrado rupestre, onde a vegetação se molda com as rochas expostas.
O cerrado é um bioma moldado em condições severas, como seca prolongada, solo com pou­cos nutrientes e o fogo. De sua resistência a essas condições, impres­siona a beleza mini­ma­lista de suas flores.

Fauna
O cerrado conta com 196 espécies de ma­mí­feros, 837 de aves, 184 de rép­teis e 113 de anfíbios, 1,2 mil de pei­xes e mais de 90 mil espécies de insetos. Um terço da biodiversidade brasileira está nesse bioma. Durante os passeios no parque, nas trilhas e nas regiões do entorno existe a possibilidade de se observar bi­­chos como o lobo-guará, o veado cam­­peiro, o tamanduá-ban­­deira, emas, seriemas, araras, papagaios e periquitos, todos livres na natureza.

Atenção! Há restrição para:
  • O acesso de crianças menores de 5 anos, tendo em vista a dificuldade de deslocamento;
  • A entrada nas áreas de visitação com bebidas alcoólicas ou qualquer outra droga, legal ou não, que limite os reflexos e a capacidade de coordenação motora do indivíduo. Fumar, além de ser proibido no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, não combina com o ambiente e atrapalha a experiência dos outros visitantes;
  • O uso de bronzeador, xampu e sabonete nos banhos de rio;
  • A entrada de animais domésticos;
  • O ingresso e a permanência na unidade de visitantes portando armas, materiais ou instrumentos destinados a corte, caça, pesca ou quaisquer outras atividades prejudiciais à fauna e à flora e
  • A utilização de aparelhos ou instrumentos sonoros dentro do Parque, excetuando-se os casos necessários à fiscalização, busca e salvamento.
A direção do parque recomenda:
  • Prepare-se para a caminhada:
  • Saiba se você tem o preparo físico adequado para percorrer as trilhas do parque;
  • Caminhar no cerrado, mesmo com tempo nublado, é uma atividade muito desgastante;
  • Tome um café da manhã bem reforçado. Mesmo que você não esteja acostumado a comer logo pela manhã, faça um esforço, pois as caminhadas exigirão muito de você, por isso é bom estar preparado;
  • Leve bastante água e um bom lanche, mas evite vasilhames de vidro ou enlatados. Prefira alimentos leves como frutas, castanhas, sanduíches (sem maionese), banana e uva desidratada;
  • Utilize roupas adequadas, boné e tênis ou outro calçado fechado. Chinelos e sandálias abertas não combinam com trilhas e, se arrebentarem, tornarão sua experiência desagradável;
  • Leve protetor solar e repelente;
  • Leve seus remédios de usos específicos, como antialérgicos, e de uso controlado, como pressão, asma e outros;
  • Na época das chuvas, traga um anoraque (ou capa de chuva) e roupa reserva para trocar após o passeio. Dica: embale roupas e equipamentos eletrônicos em um saco estanque para mantê-los secos;
  • Siga as normas e as orientações dos funcionários do Parque, condutores de visitantes e bombeiros, especialmente  nas áreas de banho, pois elas visam  a proteção dos ambientes e dos próprios visitantes;
  • Observe, mas não recolha flores e pedras dos locais que você está visitando, nem moleste os animais;
  • Todo lixo que você produzir deverá ser trazido de volta à cidade, inclusive o orgânico e
  • Atividades em ambientes naturais envolvem riscos e o Parque Nacional não conta com serviço de resgate, portanto, aja com moderação. Evite atitudes que possam causar acidente, como subir em pedras ou árvores e saltar no rio de lugares altos. 
Quando for adentar ao parque é feito um registro dos grupos, juntamente com a assinatura de um Termo de Responsabilidade, e do preenchimento de dados como: telefone para emergência, cidade e estado de procedência, idade e documento (CPF/RG) do turista/visitante.

Sinopse Histórica
O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros foi criado em 1961 e abriga uma área de 650 Km² do Cerrado de altitude. São diversas formações vegetais com centenas de nascentes e cursos d água, rochas, além de paisagens de rara beleza, com feições que se alteram ao longo do ano.
O Parque também preserva áreas de antigos garimpos, como parte da história local e foi declarado Patrimônio Mundial Natural em 2001 pela UNESCO. Além da conservação, o Parque tem como objetivos a pesquisa científica, a educação ambiental e a visitação pública. 
_________________________________________________________________________________________________________________
OBS.: Informações e programações sujeitas a mudanças e alterações. Para mais informações, ligue para o telefone da administração do local.
Ressaltamos que as informações aqui publicadas quanto a flora, fauna, restrições e recomendações foram extraídas do site do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio (http://www.icmbio.gov.br/)
_______________________________________________________________________________________

Vale a pena
  • Percorrer uma ou mais trilhas das quatro existentes, que são a "Travessia das Sete Quedas (23,5 Km de extensão), Trilha dos Saltos (11 Km ida e volta), Trilha dos Cânions (12 Km ida e volta) e Trilha da Seriema (800 m ida e volta)", observando a vegetação e a fauna local;
  • Visitar especialmente os "Saltos do Rio Preto", as "Corredeiras", as "Cachoeiras das Cariocas" e o "Cânion II" e
  • Banhar-se nos rios e/ou pequenos lagos formados pelas cachoeiras.

Veja vídeo do parque postado no YouTube pela Fundação Fórmula Cultural (sugerimos "clicar" no ícone do "YouTube" para uma melhor visualização).


A seguir, veja fotos tiradas no local no dia da visita (Atenção! Ao "clicar" em qualquer foto, abre-se, automaticamente, o modo de exibição "Tela Cheia" de seu computador e por meio de suas teclas "Setas" (➡⬆⬅), podem ser visualizadas todas as fotos tiradas do parque).

0 comentários:

Postar um comentário

Seus comentários são muito importantes para o aprimoramento do site