sexta-feira, 7 de junho de 2013

Parque Ecológico do Guarapiranga em São Paulo

Visitamos num domingo o Parque Ecológico do Guarapiranga, que fica localizado no Jardim Riviera, Zona Sul da Capital e tem cerca de 2,5 milhões de m² de área no total, sendo 1,6 milhão  para uso público e lazer dos visitantes. O parque ocupa 7% das margens dos 28 Km da represa, tendo sido inaugurado no dia 3 de abril de 1999 com o objetivo de preservar a fauna e flora existente além de despertar a consciência ambiental nos visitantes e principalmente na população do entorno. O Parque recebe por volta de 370.000 pessoas por ano, segundo sua administração.
Horário de funcionamento:
8h às 17h de Terças aos Domingos
Telefone:
(11) 5517-6707  
Localização:
Estrada da Riviera, 3286, Jardim Riviera
Ver no mapa

Avaliação do parque (0 a 5) é 3,7.

Para acesso ao parque vá até Conexão K131- Estação Santa Cruz (R. Domingos de Morais - Linha 1 Azul do Metrô), dirija-se ao ponto de embarque localizado na Rua Ten. Gomes Ribeiro,215 e tome a Linha 677K-10 (Metro Santa Cruz - Jd. Nakamura). Informe-se com o cobrador/motorista do ônibus qual o ponto embarque/
desembarque mais próximo da entrada do Parque Ecológico da Guarapiranga.
Para saber outras linhas de ônibus, fornecendo origem e destino, ligue para o telefone 156  da PMSP ou pelo site da Sptrans (clique aqui).
De carro, consulte "Ver no mapa" no box acima e trace seu roteiro. 

Há um bom estacionamento, gratuito, em frente ao parque. Atentar, porém, que a Estrada da Riviera nesse ponto tem duas pistas e o estacionamento fica na pista contrária ao da entrada do parque. Há sinal para pedestre para atravessar as pistas, o que deve ser feito com atenção, devido ao movimento de carros. 

Infraestrutura
O parque é inteiramente planejado para causar o mínimo dano ao meio ambiente. A passarela que dá acesso aos seus principais edifícios, com 500 metros de extensão, é totalmente suspensa, para evitar impacto no solo, as janelas dos edifícios são grandes, para privilegiar o uso da luz solar, e mesmo as cortinas são feitas de papel reciclado.
Aliás, esse tipo de criação pode ser aprendido em uma das muitas oficinas oferecidas semanal e gratuitamente. Uma delas ensina a transformar material reciclável, de papelão a garafas PET, em artesanato, como vasos com plantas artificiais, "origami" ou porta-retratos.
Do Infocentro à Brinquedoteca, do Museu do Lixo ao Programa de Educação Ambiental e do anfiteatro ao Salão Oval, além de um viveiro, o Parque Ecológico do Guarapiranga proporciona aos visitantes atividades diversas em meio à vegetação nativa, replantada e remanescentes de Mata Atlântica.

Principais atrativos
  • Trilha da Vida: Com 65 m a trilha é utilizada como uma atividade sensorial e de sensibilização dos visitantes sobre sua relação com a natureza;
  • Área de Lazer e Esporte: Proporciona ao visitante a possibilidade da prática de esportes, tais como vôlei, futsal, basquete, futebol de campo, mini-pista de Cooper e academia de musculação popular;
  • Parque de Aventuras: Indicado para crianças até 10 anos, possui playground com gangorra, cavalinhos de madeira, balanços e mini-ponte;
  • Passarela de Madeira: As passarelas de madeira sobre estacas integram a construção à vegetação, interferindo levemente na paisagem, sem prejudicar as raízes das plantas e a drenagem natural do solo. Dá acesso aos seguintes pontos de interesse:
    • Brinquedoteca: Para crianças até 8 anos, estimulando o relacionando com outros menores;
    • Museu do Lixo: Seu acervo mostra o que parte da população joga nas ruas, rios e na própria represa. Visa conscientizar as crianças e sensibilizar os adultos a partir do acervo do lixo recolhido no reservatório e que chega a represa por meio de rios e córregos vizinhos e
    • Biblioteca/Centro de Informações: A Biblioteca Noêmia Alves de Siqueira, inaugurada em 2000, conta com cerca de 8.000 títulos catalogados.
Fauna
Abundante quanto as  espécies de aves e alguns mamíferos, como roedores semi-aquáticos, a capivara e o ratão-do-banhado. Dentre as aves, ocorrem espécies endêmicas da Mata Atlântica: tiriba-de-testa-vermelha, pica-pau-anão-de-coleira e arredio-pálido.  Muitas aves aquáticas e de brejos, a exemplo de marrecas silvestres (irerês, ananaís, caneleiras etc.), frangos-d’água, saracuras, mergulhões, garças e socós, além da presença do pernilongo-de-costas-brancas e ave alvinegra de bico fino.

Flora
Mata secundária (Mata Atlântica), Vegetação com predomínio de Gramíneas (Vegetação de porte arbustivo), Agricultura de ciclo curto (Cultivo espécies agrícolas de ciclo curto/anual), Solo exposto (Áreas sem nenhum tipo de cobertura vegetal), Loteamento (Áreas com predominância de mata ou gramínea com arruamento), Urbanização de baixa densidade (Até 40% de áreas impermeabilizadas em relação às áreas vegetadas), Urbanização de média densidade (40 a 70% de áreas impermeabilizadas em relação às áreas vegetadas) e Urbanização de alta densidade (Mais de 70% de áreas impermeabilizadas em relação às áreas vegetadas).

Não há lanchonetes no interior do parque, mas nas entradas do parque há ambulantes que vendem alimentos e bebidas.

Há inúmeras e boas atividades culturais e esportivas programadas e realizadas no parque. Consulte o telefone da administração do local.

Não há restrições para animais domésticos, desde que os cães estejam em guias e focinheiras, estas para os mais bravos.

Observamos uma boa limpeza e conservação dos sanitários existentes no parque.

Quanto à segurança geral do parque, observamos vários vigias no dia da visita, transmitindo-nos tranquilidade.

Contexto ambiental
No estudo feito por profissionais do Núcleo Interdisciplinar de Ciências Ambientais (NICA) e da Universidade Federal de São Carlos intitulado "Caracterização do uso e ocupação do Parque Ecológico do Guarapiranga e seu entorno" (v. texto completo aqui), essa região do município de São Paulo, onde o parque está localizado, vem sofrendo intensa ocupação por moradias de média e baixa renda. Em alguns bairros do entorno do parque, esse processo ocorreu de forma irregular, resultando na liberação de esgoto diretamente nos corpos d’água, interferindo na qualidade dos recursos hídricos da região.
Nesse contexto, a existência do parque impede o avanço deste processo nas proximidades da represa Guarapiranga e ainda se destaca como uma área de lazer, garantindo o mínimo de área verde por habitante que é sugerido pela Organização Mundial da Saúde.
No interior do parque foram classificadas oito classes de uso, a saber: Instalações Administrativas e Infra-Estrutura, Alagados, Vegetação com Predomínio de Gramíneas, Solo Exposto, Vegetação em Estágio Pioneiro, Vegetação em Estágio Inicial de Regeneração, Vegetação em Estágio Médio de Regeneração e Vegetação com Predomínio de Espécies Exóticas.
A fisionomia florestal predominante no parque é a vegetação em estágio inicial de regeneração, o que vem ao encontro de trabalhos que citam a perturbação da área anterior à criação do parque, quando fazia parte de uma fazenda estava coberta por vegetação secundária rasteira, com poucas árvores isoladas. Com a implantação do parque em 1999, pode-se dizer que houve a regeneração da vegetação na área, impedindo a sua ocupação com moradias irregulares.

Sinopse Histórica
Criado inicialmente por meio do Decreto Estadual 30442 de setembro de 1989, o Parque Ecológico do Guarapiranga foi construído dentro do Programa de Saneamento Ambiental da Bacia do Guarapiranga, que teve como principal objetivo assegurar a qualidade da água do reservatório.
Iniciado em dezembro de 1992 e concluído seis anos mais tarde, o Programa Guarapiranga foi implementado por meio de um convênio firmado entre o Governo do Estado e o Banco Mundial, que investiu US$ 262 milhões nessa iniciativa que envolveu, ainda, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), a Prefeitura de São Paulo, a Sabesp e a Secretaria de Recursos Hídricos, além da Secretaria de Meio Ambiente, responsável pelas ações de proteção ambiental e implantação e gestão de parques, repovoamento vegetal e estudos referentes à qualidade da água.
Entre os resultados do programa estão o aumento de áreas verdes na bacia, análise atualizada e abrangente da qualidade da água, recuperação de áreas degradadas, reurbanização do espaço público e a criação de áreas de lazer para a população carente.
O parque foi operacionalmente inaugurado em 3 de abril de 1999.

Informações gerais sobre o parque, bem como suas atrações e eventos, podem ser obtidas pelo telefone da administração (11) 5517-6707.

Vale a pena
  • Usar campos e quadras para praticar seu esporte preferido na "Área de Lazer e Esporte";
  • Brincar, para crianças até 10 anos, nos equipamentos existentes do "Parque de Aventuras" e na "Brinquedoteca" (menores até 8 anos);
  • Visitar o Museu do Lixo e a Biblioteca Noêmia Alves da Siqueira;
  • Caminhar pela "Trilha da Vida";
  • Participar de um ou mais dos inúmeros eventos promovidos pelo Núcleo de Educação Ambiental (NEA) e
  • Caminhar simplesmente pelas passarelas de madeiras e trilhas que interligam as atrações do parque, observando a vegetação e fauna existentes.
Veja vídeo feito no local, quando da visita (sugerimos "clicar" no ícone do "YouTube" para uma melhor visualização).

A seguir, veja fotos tiradas no local no dia da visita (Atenção! Ao "clicar" em qualquer foto, abre-se, automaticamente, o modo de exibição "Tela Cheia" de seu computador e por meio de suas teclas "Setas" (➡⬆⬅), podem ser visualizadas todas as fotos tiradas do parque).

Soccer designed by Derek Britton from The Noun Project

2 comentários:

  1. Acompanhei a construção desse ambiente do qual antes era um lixão,na época eu ainda era uma criança com mais ou menos 9 anos de idade quando começou as mudanças por lá,hoje é um excelente lugar pra se passar um dia com toda família.A administração é muito boa,os banheiros sempre bem limpinhos guardas em toda parte que andamos nos auxiliando no que for preciso,indico qualquer cidadão a visitar i parque muito gostoso e diferente...Bjus a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje a Realidade é outra, infelizmente.

      Excluir

Seus comentários são muito importantes para o aprimoramento do site