sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Quinta da Boa Vista no Rio de Janeiro

A Quinta da Boa Vista foi visitada pelo site Áreas Verdes das Cidades num domingo. Fica localizada no bairro de São Cristóvão na zona norte do Rio de JaneiroO parque possui uma área de 155.000 m², ajardinada em 1869 por projeto do paisagista francês Auguste Glaziou a mando de D. Pedro II. É um local histórico brasileiro, pois no antigo Palácio de São Cristóvão viveram seis gerações da família imperial brasileira e nasceram, entre outros, a Rainha D. Maria da Glória II, D. Pedro II e a Princesa Isabel. A Quinta abriga também o Jardim Zoológico da cidade, o Museu Nacional e o Museu da Fauna.
Horário de funcionamento:
7h às 17h
Recursos:
    PlaygroundAcessibilidadeProgramação culturalTrilha
Contatos:
(21) 2234-1181/3878-4200
Localização:
Avenida Pedro II, s/n, São Cristóvão, Rio de Janeiro (RJ)
Ver no mapa

Como chegar ao local
De Metrô e Trem, salte na estação São Cristóvão e caminhe até uma das entradas da Quinta da Boa Vista.
Há várias linhas de ônibus que servem o local, entre as quais, partindo da zona sul, as de números 462 e 463. A partir das zonas norte e oeste, a linha 371.
Para saber sobre linhas de ônibus, fornecendo origem e destino, consulte o site da Rio Ônibus (clique aqui).
De carro vá ao box ao lado e clique em "Ver no mapa", traçando seu roteiro.

Há estacionamentos para veículos no interior do parque, sendo um próximo ao Jardim Zoológico.

Para saber a previsão do tempo para a cidade do Rio de Janeiro, clique aqui.

Infraestrutura
Nos seus vários jardins há pontes, cascatas e lagos, locais ideais para piqueniques em família nos dias de sol. Há pedalinhos e pequenas canoas/caiaques no lago para locação com preços acessíveis. Sobre a arquitetura existente no local, destacam-se o Templo de Apolo, o busto de Glaziou, as estátuas em bronze de D. Pedro II e da Imperatriz Leopoldina e um pagode japonês.
Há o Jardim Zoológico do Rio de Janeiro, que é o mais antigo do país e situa-se em uma área pertencente ao parque Quinta da Boa Vista, área está ao lado direito, próxima aos fundos do antigo Palácio Imperial e hoje Museu Nacional. Na verdade, a entrada do Zoo fica dentro do parque, bastando tomar uma descida dos jardins que ficam do lado direito de quem vê o Palácio. Assim como o imenso parque, tem muito verde, alas de palmeiras e diversos animais da fauna Brasileira e do exterior. Também no interior da Quinta da Boa Vista há o Museu Nacional que é a mais antiga instituição científica do Brasil e o maior museu de história natural e antropológica da América Latina. Criado por D. João VI, em 06 de junho de 1818 e, inicialmente, sediado no Campo de Sant'Anna, serviu para atender aos interesses de promoção do progresso cultural e econômico no país. Originalmente denominado de Museu Real, foi incorporado à Universidade do Brasil em 1946. Atualmente o Museu integra a estrutura acadêmica da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Flora
Muitas palmeiras e fragmentos da Mata Atlântica com várias espécies da mesma.

Fauna
Há inúmeras aves no local que encantam os visitantes com sua algazarra.

Quanto à alimentação existe um bom restaurante, o Quinta da Boa Vista, com cardápio variado no interior da Quinta nas proximidades do Jardim Zoológico. Em dias movimentados (finais de semana e feriados), há barracas que vendem sanduíches e cachorros quentes a preços populares, assim como vendedores de picolé e sorvete, água mineral e refrigerantes.

No tocante à segurança geral do local, observamos alguns poucos vigias percorrendo-o.

Atenção! 
  • Não há restrição para a entrada de animais domésticos no parque, bem como a  utilização de bicicletas e bolas
  • Os preços e horários para visitas, que são diferentes para o parque da Quinta da Boa Vista, ao Museu Nacional e Jardim Zoológico podem ser obtidos nos respectivos links.

Sinopse histórica
Nos séculos XVI e XVII, a área onde atualmente se localiza a Quinta, integrava uma fazenda dos Jesuítas nos arredores da cidade do Rio de Janeiro. Com a expulsão da Ordem em 1759, a propriedade foi desmembrada, tendo passado à posse de particulares.

Quando da chegada da Família Real ao Brasil em 1808, a Quinta pertencia ao comerciante português Elias Antônio Lopes, que havia feito erguer, por volta de 1803, um casarão sobre uma colina, da qual se tinha uma boa vista da Baía de Guanabara– o que deu origem ao atual nome da Quinta.

Dada a carência de espaços residenciais no Rio de Janeiro e diante da chegada da família real em 1808, Elias doou a sua propriedade ao Príncipe-regente D. João Maria de Bragança, mais conhecido no Brasil como Dom João, que decidiu transformá-la na residência real. Este foi um belo golpe de estratégia de Elias pois sendo conhecido por ter a melhor casa do Rio e ao oferecer tal tesouro ao Príncipe-regente, foi recompensado com outra propriedade que, embora fosse mais simples em estrutura era bastante boa comparada com a possibilidade de não ter nenhuma, caso não tivesse atuado tão habilidosamente. O Príncipe-regente sentiu-se muito honrado com o gesto e a quinta passaria a ser a sua morada permanente no Brasil.

Para acomodar a família real, o casarão da quinta, mesmo sendo vasto e confortável, necessitou ser adaptado. A reforma mais importante iniciou-se à época das núpcias do Príncipe D. Pedro com Maria Leopoldina de Áustria (1816), estendendo-se até 1821. Foi encarregado do projeto o arquiteto inglês John Johnston, que, além da reforma do paço, fez instalar um portão monumental em sua entrada, presente de casamento do general Hugh Percy, 2.° Duque de Northumberland. Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, esse portão encontra-se atualmente destacado, como entrada principal, no Jardim Zoológico do Rio de Janeiro, nas dependências da quinta.

A Quinta da Boa Vista é uma grande área que foi residência, jardins e chácara da família Real entre 1817 até 1889 até que a Republica fosse proclamada. Fica localizada no bairro de São Cristovão, bairro antigo e tradicional, onde no tempo do Império, vivia a aristocracia do Rio de Janeiro.

A área com jardins e paisagismo foi planejada e executada em 1869 por Auguste Glaziou, um paisagista Francês.

Estes grandes jardins tendem a um paisagismo mais romântico e ao estilo Inglês, com várias alas sinuosas cercadas por árvores e gramados. Pode-se caminhar por alas cercadas por arvores, enormes jardins gramados e com muitas arvores, lagos e caminhos pitorescos.

Cenários fantasiosos foram criados, que estão lá como eram na época. Incluem-se um mirante em forma de pagode chinês, cavernas, e uma ilhota com pergolado.

Mas existe um jardim menor, exatamente em frente ao Palácio Neoclássico, que foi a antiga morada dos Reis até a proclamação da República, que segue um estilo mais cartesiano e com linhas mais geométricas, cercado por muretas formadas por pilastras também em estilo neoclássico, dando extensão à intensionada magnitude do Palácio. Este espaço cercado é anterior aos jardins projetados por Auguste Glaziou em 1869, entretanto, deve ter tomado a forma atual na mesma época.

O antigo Palácio Imperial de São Cristovão onde moraram os Reis do Brasil, abriga hoje o Museu Nacional de História Natural ou Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Com exceção de sua arquitetura, pelo menos até onde se pode visitar, no interior do palácio não existe mais o mobiliário de época do tempo do Império, pois Dom Pedro II ao exilar-se na Europa após a proclamação da República, pode levar consigo o mobiliário. Mas o Museu é rico em acervo natural, tem sido renovado e modernizado, e está aberto à visitação.


Vale a pena
  • Visitar o Jardim Zoológico e o Museu Nacional que ficam no interior do local.
  • Caminhar pelas pistas do local, observando ao redor a paisagem;
  • Utilizar os pedalinhos/canoas/botes no lago existente;
  • Fazer piqueniques em locais próprios para isso na Quinta e
  • Fazer uma refeição no bom restaurante existente no interior da Quinta.
_____________________________________________________________________________________________________________
OBS.: Informações e programações sujeitas a mudanças e alterações.
Fonte dos textos: "Websites da Wikipédia (https://pt.wikipedia.org/), "Rio de Janeiro Aqui" (http://www.riodejaneiroaqui.com) e Museu Nacional (http://www.museunacional.ufrj.br/).
_____________________________________________________________________________________________________

Veja vídeo feito no local, quando da visita.  

A seguir, veja fotos tiradas no parque no dia da visita (Atenção! Ao "clicar" em qualquer foto, abre-se, automaticamente, o modo de exibição "Tela Cheia" de seu computador e por meio de suas teclas "Setas" (➡⬆⬅), podem ser visualizadas todas as fotos tiradas do local).



1 comentários:

Seus comentários são muito importantes para o aprimoramento do site